Na luta que abriu o Card Principal do UFC 205, disputado no último final de semana em Nova York, a americana Raquel Pennington venceu com facilidade a sua compatriota Miesha Tate. O resultado final foi uma vitória na decisão unânime dos jurados, com parciais de 30-27, 30-27 e 29-28. A atuação irreconhecível de Miesha Tate surpreendeu os espectadores, mas não tanto quanto a declaração da ex-campeã logo após ser derrotada pela segunda vez consecutiva. Cansada, Miesha Tate surpreendeu ao anunciar que estava se aposentando do esporte, aos 30 anos.

– Não dá mais para mim. Já estou nisso há muito tempo, meu corpo foi muito punido. Vou amar esse esporte para sempre, mas não é mais a minha hora. Estou parando. É a hora do futuro agora. – disse Tate, ainda no octógono, após ser superada por Pennington.

Miesha Tate se despede do MMA após 26 lutas, com 19 vitórias e sete derrotas. Sua maior glória aconteceu em março deste ano, quando sagrou-se campeã ao bater Holly Holm. Desde então, ela perdeu o cinturão para a brasileira Amanda Nunes e em sua despedida, caiu para Pennington.

Raquel Pennington, por sua vez, conquistou a maior vitória de sua carreira. A americana de 28 anos já havia conseguido outros triunfos marcantes, como contra Bethe Correia e Elizabeth Phillips. A americana venceu pela nona vez em 14 lutas na carreira.

Joanna vence Karolina e volta a reter o seu cinturão

Em um duelo de polonesas com nomes complicadíssimos, a atual campeã Joanna Jedrzejczyk derrotou a compatriota Karolina Kowalkiewicz na decisão unânime dos jurados, na terceira luta principal do histórico UFC 205, realizado no último final de semana, no Madison Square Garden, em Nova York. Com o triunfo, Joanna defendeu com sucesso o seu cinturão pela quarta vez. Ela venceu a compatriota Karolina na decisão unânime dos jurados (triplo 49-46) em luta que durou cinco rounds.

Com a vitória, Joanna manteve a sua invencibilidade, que agora é de 13 lutas, enquanto Karolina perdeu pela primeira vez na carreira, na décima luta.

– Foi muito duro, eu não saí da luta de jeito nenhum. Karolina foi uma desafiante muito dura. Muito boa. Estou feliz que tenha outra polonesa dura assim. Eu continuo campeã porque sou humilde, trabalho todos os dias, respeito o meu oponente e sempre sei que as lutas serão difíceis. UFC, obrigado por me trazer a Nova York. – disse a simpática campeã da categoria peso palha da divisão feminina do UFC.

O duelo entre as duas polonesas foi o primeiro dos três combates que valiam cinturão na histórica noite do UFC 205, que contou ainda com o empate majoritário entre Tyron Woodley e Jeremy Stephens e o nocaute de Conor McGregor em cima de Eddie Álvarez.

Liz Carmouche vence a primeira luta em Nova York

A luta que abriu o histórico UFC 205 – o primeiro a acontecer na cidade de Nova York – foi entre as americanas Liz Carmouche e Katlyn Chookagian. Em duelo bastante movimentado, a experiente Liz levou a melhor, vencendo na decisão dividida dos jurados (29-28, 28-29 e 29-28). Veterana, Liz usou a sua experiência para controlar e vencer os dois primeiros rounds. No tudo ou nada, Katlyn foi melhor no terceiro assalto, venceu, mas não foi o suficiente para reverter a derrota.

Com o triunfo, Liz Carmouche, de 32 anos, venceu pela 11ª vez em 16 lutas na carreira. A americana, que já foi superada por nomes como Ronda Rousey e Miesha Tate em sua categoria, venceu pela segunda vez seguida.

Ainda no Card Preliminar, tivemos também a vitória de Jim Miller diante de Thiago Pittbull, em um duelo entre veteranos do UFC. Histórico, o UFC 205 foi o primeiro a acontecer na cidade de Nova York. O evento foi realizado no icônico Madison Square Garden e contou com mais de 20 mil torcedores presentes, arrecadando mais de US$ 17 milhões.


Foto: Miesha Tate anunciou sua aposentadoria após perder para Pennington (Adam Hunger)

Miesha Tate perde e anuncia aposentadoria
Votar